Vacinas para viajar
Caio Tristão
Caio Tristão
Atualizado em 29/07/15

Assim que comecei a organizar minha primeira viagem para a Ásia, me precavi e corri num Posto de Saúde Municipal para tomar a famosa vacina contra a febre amarela. Sem agendar nada, de lá, com o comprovante em mãos, dei um pulo na agência da Anvisa e rapidamente retirei meu Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) após ouvir algumas orientações sobre o meu destino. Tudo isso em menos de uma hora e gratuitamente.

Eu, na verdade, nunca entendi muito bem se nós brasileiros precisamos da vacina porque estamos em área de risco ou apenas quando vamos viajar para uma área de risco – possivelmente as duas coisas. Pior, sei que ainda depende da região do Brasil onde você está estabelecido (Norte e Nordeste?) e que a solicitação pela comprovação da vacina acontece para alguns e nada é pedido para tantos outros viajantes. Peru? Não me pediram, mas conheço várias pessoas que tiveram que se vacinar no aeroporto! Panamá e Costa Rica? Às vezes pedem, às vezes não! Ásia? Vão solicitar.

civp-dentro

Fato é que este é mais um daqueles papos de viagem super obscuros e que não dá para afirmar muito bem qual é a regra. Por isso, mais uma vez, a melhor coisa é se prevenir. E quer saber? Um negócio que leva tão pouco tempo, não tem custo nenhum e tem validade de 10 anos (!) não pode ser deixado para a última hora. Vamos nos livrar deste risco e ter este comprovante em mãos já!

O que você precisa saber para tomar sua vacina contra a febre amarela e emitir seu Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP):

  • Você pode tomar a vacina gratuitamente no posto de vacinação (ou de saúde) municipal ou estadual mais próximo. Não precisa agendar e basta levar um documento de identificação. É vapt-vupt e não dói nada! 
    • Importante 1: guarde o comprovante de vacinação. Você vai precisar dele para emitir seu certificado na Anvisa.
    • Importante 2: a vacina precisa ser tomada com no mínimo 10 dias antes de embarcar para a sua viagem.
  • A emissão do CIVP é feita, também de graça, pela Anvisa nos seus centros de atendimento. Também não precisa agendar e basta levar um documento de identificação e o comprovante de vacinação emitido pelo posto. O certificado é emitido na hora.
    • A página do viajante, no site da Anvisa, é bem bacana e contem uma série de informações complementares, inclusive listando todos os outros locais onde é possível obter o CIVP.
    • Vai por mim: em qualquer papelaria você consegue, por menos de 2 reais, uma capinha de plástico para o seu passaporte. Com isso, mantenha seu certificado internacional sempre anexado e evite problemas por pelo menos uma década.

vacina-passaporte

  • Se ainda assim você só quiser se vacinar caso o seu país de destino faça a exigência, existe uma lista completa no portal da World Health Organization (WHO). Basicamente, brasileiros precisam estar vacinados para visitar os países onde há o “Yes” na segunda e terceira colunas. Percebeu que há controvérsias entre a teoria e a realidade? Por isso, digo: vacine-se já e evite transtornos!

Se você…

  • Esqueceu de se vacinar com 10 dias de antecedência à viagem? Vai ser complicado viajar. Você poderá ser barrado no aeroporto ainda durante o embarque aqui no Brasil ou na chegada ao seu destino. Não deixe para a última hora.
  • É contraindicado à vacina? (em geral, tratamento com corticóides, quimioterapia ou radioterapia; mulheres grávidas e bebês com idade inferior a 6 meses; portadores do vírus HIV; ou pessoas alérgicas aos componentes da vacina). Peça ao seu médico que faça a emissão do certificado de isenção. Baixe o modelo do formulário disponibilizado pela Anvisa, e solicite o preenchimento com carimbo e assinatura.
  • Perdeu o seu certificado? Basta solicitar a segunda via em qualquer centro de atendimento da Anvisa.

Galera, mais uma daquelas coisas que não dá para deixar para a última hora.

Deixe um comentário